Editor do Website / Membro Titular da Sociedade Brasileira de Urologia (SBU). CREMERS 28361 / RQE 20242
 
 
   
ENTRE EM CONTATO
Fone: (51) 3378.9995
America Business Square
Rua Soledade, 569 Conj. 907B
Três Figueiras - 90470-340
 
 
 
DOENÇAS E MODALIDADES DE TRATAMENTO
Pedras nos Rins (Litíase Urinária)

 

Litíase urinária ou cálculo urinário são as palavras usadas pelos urologistas para falar sobre a formação de “pedras” no sistema urinário.

 

Segundos dados da Sociedade Brasileira de Urologia, a formação de pedras nos rins acomete cerca de 6 % da população.

 

O risco de formação de outros cálculos após a primeira crise é de cerca de 50% em 5 anos e pode atingir 70% em 10 anos.

 

A maioria dos cálculos urinários é formada por oxalato de cálcio. Existem vários fatores de risco para a formação de cálculos urinários:

  • Trabalhar em ambiente quente (por exemplo, próximo a fornos ou caldeiras)
  • Morar em regiões de clima quente
  • Não praticar exercícios físicos (sedentarismo)
  • Dieta com alto teor de proteínas e sal
  • Beber pouco líquido
  • Predisposição genética / familiar

 

A forma de apresentação clínica mais comum é a cólica renal. O indivíduo apresenta dor de forte intensidade e início súbito, tipo cólica, que se localiza na região lombar (costas) e se irradia para o flanco (abdome) e/ou região genital. Em geral, não há posição de alívio e o paciente precisa procurar uma emergência médica para receber medicamentos analgésicos via endovenosa.

 

Os exames mais utilizados para avaliação do paciente com suspeita de litíase urinária são:

  • EQU (exame qualitativo de urina)
  • Ultrassom (ecografia)
  • Raio-X do abdome

Além desses, podem ser necessários tomografia computadorizada ou urografia excretora.

 

A maioria dos cálculos é eliminado espontaneamente. Contudo, é necessário o controle da dor, que é intensa e por vezes requer internação.

 

Para definir a melhor conduta a ser tomada frente ao diagnóstico de litíase urinária, deve-se considerar:

  • o tamanho e a localização do cálculo
  • a presença (ou não) de infecção concomitante
  • o controle da dor
  • a presença de obstrução das vias urinárias

 

Para os casos onde não há infecção associada, cuja dor é controlável com medicamentos via oral e o tamanho do cálculo é pequeno, podemos considerar o “tratamento medicamentoso expulsivo”. Esta é uma modalidade de tratamento conservador; isto é, procurar-se controlar a dor e fornecer condições para a eliminação espontânea do cálculo urinário. Medicamentos da classe dos alfa-bloqueadores (como por exemplo, a tamsulosina) são utilizados para aumentar a chance de passagem do cálculo através do ureter (canal que leva a urina do rim para a bexiga), fazendo relaxamento deste canal.

 

Existem várias modalidades de tratamento minimamente invasivo para os cálculos urinários, como a litotripsia externa por ondas de choque, as cirurgias endoscópicas (ureteroscópicas) e as cirurgias videolaparoscópicas. Se a opção for por tratamento intervencionista, a escolha do tipo de procedimento vai depender da posição e dureza do cálculo, anatomia do rim, índice de massa corpórea do paciente e dos sintomas clínicos.

Em geral, considera-se o tratamento intervencionista da litíase urinária nas seguintes situações:

  • Quando não há progressão do cálculo através do ureter
  • Quando há dilatação importante das vias urinárias
  • Quando não há possibilidade de controlar a dor com medicamentos via oral
  • Quando há infecção urinária associada
  • Quando há risco de prejuízo da função do rim

 

Em relação à prevenção da litíase urinária, independentemente da causa, é válido estimular o aumento da ingestão de água, de modo que o paciente possa urinar 1,5 a 2 litros por dia. Esta é a medida mais importante. Além disso, é recomendável moderar o consumo de sal e proteína animal e ingerir suco de limão diariamente. Manter-se ativo fisicamente também é importante. Alguns medicamentos para controle da eliminação urinária de cálcio e ácido úrico podem ser utilizados. A prevenção da formação de novos cálculos é muito importante e é eficaz em muitos pacientes !

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:

Campbell-Walsh UROLOGY, 9th Edition

Sociedade Brasileira de Urologia (SBU)

 

Data de criação: 12 de Dezembro de 2010

Data da última modificação: 21 de Janeiro de 2011



Tags: Litíase urinária | litíase | cálculo | pedra |
 
 
         
AVALIE SEUS SINTOMAS
 

Tabelas de Partin

IPSS - International Prostatic Symptom Score

Escala de Sintomas do Envelhecimento Masculino

Nomograma Sobrevida Livre de Recidiva Bioquímica após Prostatectomia Radical Retropúbica

Questionário de Avaliação de Bexiga Hiperativa - OAB - V8

Diário Miccional (Modelo)

AGENDA DE EVENTOS
 
31/12/2014 - 3RD INTERNATIONAL NEURO-UROLOGY MEETING - ZURIQUE/SUÍÇA

"O Dr. Márcio Averbeck foi convidado a palestrar no congresso realizado pela Swiss Continence Foundation (Fundação Suíça de Continência) na Universidade de Zurich no final do mês de Agosto/2014. O Dr. Márcio foi o representante da América Latina neste importante evento e palestrou sobre "cateteterismo vesical" e sobre "tratamento da impotência sexual em pacientes lesados medulares"."

 

01/08/2014 - CONGRESSO COLOMBIANO DE UROLOGIA

"O Dr. Márcio Averbeck participou como palestrante no Congresso Colombiano de Urologia, realizado em Cartagena de las Índias no mês de agosto de 2014. O tema da palestra foi o tratamento da incontinência urinária masculina, incluindo o implante de slings e do esfíncter urinário artificial. O Dr. Márcio foi honrado com o título de "Membro Correspondente Estrangeiro" da Sociedade Colombiana de Urologia, recebendo certificação das mãos do Dr. Maurício Plata - Presidente da S.C.U., em cerimônia oficial no dia 16/08/2014."

 

 

 

         
 
Dr. Márcio Augusto Averbeck - Todos os Direitos Reservados