Editor do Website / Membro Titular da Sociedade Brasileira de Urologia (SBU). CREMERS 28361 / RQE 20242
 
 
   
ENTRE EM CONTATO
Fone: (51) 3378.9995
America Business Square
Rua Soledade, 569 Conj. 907B
Três Figueiras - 90470-340
 
 
 
DOENÇAS E MODALIDADES DE TRATAMENTO
Retenção Urinária: um problema que pode ter várias causas

O termo retenção urinária é utilizado na medicina para se referir à impossibilidade de esvaziar a bexiga de maneira apropriada, isto é, a dificuldade ou incapacidade de desencadear a micção.

A retenção urinária gera prejuízo à qualidade de vida do paciente, pois pode estar associada à dor de forte intensidade (pelo enchimento excessivo da bexiga) e também pode causar problemas no funcionamento dos rins.

Os principais fatores que causam retenção urinária atualmente são:

  • Uso de medicamentos opiáceos (derivados da morfina) para tratar dor pós-operatória

  • Aumento benigno da próstata (nos homens)

  • Tratamento cirúrgico da incontinência urinária em mulheres (obstrução pelo implante de slings vaginais)

  • Estreitamentos da uretra

 

Para os casos de retenção urinária no pós-operatório de cirurgias que geram dor de forte intensidade, o uso de cateteres vesicais (“sondas”) por um período limitado de tempo pode necessário até que a dor seja controlada. Sabe-se que a dor de forte intensidade faz com que ocorra espasmo do esfíncter da uretra (e é isto que causa a retenção).

 

Quando ocorre retenção urinária devido ao aumento benigno da próstata (hiperplasia prostática), o uso de medicamentos pode aliviar os sintomas. Contudo, a cirurgia de desobstrução deve ser sempre considerada. Existem diversas técnicas para desobstrução cirúrgica:

  • Ressecção transuretral da próstata (RTU ou “raspagem”), que é feita através da uretra, sem cortes

  • Cirurgia convencional (prostatectomia supra-púbica)

  • Cirurgia por videolaparoscopia

  • Cirurgia transuretral com emprego do laser

A indicação do tipo de cirurgia depende do tamanho da próstata, presença de comorbidades e problemas de coagulação. Em pacientes sem comorbidades significativas e com a coagulação normal, caso a próstata tenha um volume inferior a 80cm3, a RTU é frequentemente empregada.

 

A cirurgia implante de slings vaginais (“telinhas”) visa o tratamento da incontinência urinária de esforço na população feminina. Contudo, este tipo de cirurgia pode cursar com retenção urinária, pois o sling pode obstruir a saída da bexiga. Estima-se que a retenção urinária ocorra em 5 a 10% das pacientes após a correção cirúrgica da incontinência urinária. Nestes casos, pode ser necessária a “uretrólise”, que é uma técnica para seccionar a “telinha” e permitir a micção normal. O grande dilema neste contexto é o risco de recidiva da incontinência urinária.

 

As estenoses uretrais (“estreitamentos do canal da urina”) também podem causar retenção urinária. Estes estreitamentos são secundários a traumas (exemplos: queda “a cavaleiro”, trauma uretral após acidade automobilístico, etc) ou infecções da uretra (chamadas uretrites). O tratamento das estenoses uretrais é cirúrgico (cirurgia de plástica uretral / “uretroplastias”).

 

Existe um tipo especial de dificuldade para urinar que é chamado de “retenção urinária crônica idiopática” ou síndrome de Fowler. Esta síndrome foi inicialmente descrita pela médica inglesa Clare J. Fowler, que identificou mulheres jovens com retenção urinária e ovários policísticos. Este tipo de retenção urinária se deve a uma atividade excessiva do esfíncter externo da uretra, que inibe a contração da bexiga. O tratamento inicial é feito com cateterismo vesical intermitente (isto é, introdução de uma sonda uretral 4 a 6 vezes ao dia para proporcionar o esvaziamento da bexiga). O emprego da neuromodulação sacral (marcapasso da bexiga) é o tratamento que pode restabelecer a micção normal neste grupo de pacientes. Trata-se de um dispositivo que transmite impulsos elétricos para o nervo sacral S3 e que modula o funcionamento do sistema nervoso. Sabe-se que este tipo especial de tratamento faz com que ocorra a contração do músculo da bexiga e o relaxamento do esfíncter urinário. Este sinergismo é imprescindível para que a micção ocorra de maneira normal.

** o marcapasso da bexiga é um tratamento que foi incluído no rol da Agência Nacional da Saúde Suplementar (ANS) para o ano de 2014.

 

Dr. Márcio Averbeck

CREMERS 28361

Mãe de Deus Center – Porto Alegre

marcio@averbeck.com.br

 




Tags: Retenção Urinária | opiáceos | próstata | incontinência urinária | uretra | sondas | transuretral | RTU | slings vaginais | estenoses uretrais | idiopática | síndrome de Fowler |
 
 
         
AVALIE SEUS SINTOMAS
 

Tabelas de Partin

IPSS - International Prostatic Symptom Score

Escala de Sintomas do Envelhecimento Masculino

Nomograma Sobrevida Livre de Recidiva Bioquímica após Prostatectomia Radical Retropúbica

Questionário de Avaliação de Bexiga Hiperativa - OAB - V8

Diário Miccional (Modelo)

AGENDA DE EVENTOS
 
31/12/2014 - 3RD INTERNATIONAL NEURO-UROLOGY MEETING - ZURIQUE/SUÍÇA

"O Dr. Márcio Averbeck foi convidado a palestrar no congresso realizado pela Swiss Continence Foundation (Fundação Suíça de Continência) na Universidade de Zurich no final do mês de Agosto/2014. O Dr. Márcio foi o representante da América Latina neste importante evento e palestrou sobre "cateteterismo vesical" e sobre "tratamento da impotência sexual em pacientes lesados medulares"."

 

01/08/2014 - CONGRESSO COLOMBIANO DE UROLOGIA

"O Dr. Márcio Averbeck participou como palestrante no Congresso Colombiano de Urologia, realizado em Cartagena de las Índias no mês de agosto de 2014. O tema da palestra foi o tratamento da incontinência urinária masculina, incluindo o implante de slings e do esfíncter urinário artificial. O Dr. Márcio foi honrado com o título de "Membro Correspondente Estrangeiro" da Sociedade Colombiana de Urologia, recebendo certificação das mãos do Dr. Maurício Plata - Presidente da S.C.U., em cerimônia oficial no dia 16/08/2014."

 

 

 

         
 
Dr. Márcio Augusto Averbeck - Todos os Direitos Reservados